Total de visualizações de página

quarta-feira, 19 de julho de 2017

​Sobre a socialização


O autismo inicialmente nos faz pensar em um indivíduo isolado, que não se comunica, não interage com as outras pessoas e nem com o mundo. Um universo singular, onde só entram convidados e em muitos casos não entra ninguém além da sua própria mente. Porém, por ser um mundo singular, se respeitado o seu desejo de ser exatamente quem é, há a possibilidade de ter bem à sua frente um comportamento carinhoso, afetuoso, delicado e cheio de amor.


O autista tem medo de que seja lhe imposto o desejo alheio, por isso muitas vezes se isola, tem a fala preservada, mas não se comunica por ser muito mais seguro permanecer em seu mundo, do seu jeito, do que se enquadrar nas normas sociais ditadas como corretas ou esperadas, mas que lhes gera muita dor e sofrimento, pela sua forma de enxergar o mundo em quadros separados, por não suportar o toque suave na pele, precisar de pressão em seu corpo, ouvir extremante alto e todas as demais dificuldades de conviver em grupo.

Há um caminho a ser percorrido quando se descobre estar diante do autismo, um caminho delicado, paciencioso e altruísta, em que não há espaço para cobranças, orgulho ou vergonha de ser quem se é.

Primeiramente é preciso trazer segurança, estabelecer um elo de confiança de que, se o seu filho autista vier para o seu mundo, ele não precisará abandonar o dele, pois você o ama primeiramente pelo que ele é. Depois, com o tempo é possível lhe mostrar que muito embora seja muito legal ser ele mesmo do jeitinho que é, todos nós precisamos deixar um pouco de nós mesmos para conviver em harmonia com os outros. Da mesma forma, o outro também nos aceitará em nossas diferenças e deixará um pouco de si para desfrutar da convivência. Quando ele entender que não existe pressão para que seja quem ele não é, que você apenas lhe pede cooperação, interação e a chance de ter uma vida com trocas, entrega, lutas, perdas e ganhos, terá mais coragem para sair de seu mundo e dividir com os demais o que lhe é mais precioso - o íntimo de sua mente e de seu coração.

Em alguns casos temos o excesso de socialização, em que não há o controle dos impulsos pelo contato físico, as frases puras e ingênuas que saem sem filtro, diretamente de sua cabecinha ingênua para qualquer desconhecido que surge pelo caminho. Isso pode ser tão preocupante quanto o oposto - aquele que não responde para ninguém e não olha nos olhos. Porque o excesso é sempre ruim, todos buscamos por equilíbrio.

Algumas pessoas não gostam desse jeito despachado e exagerado dos autistas, nós mães quase sempre acabamos, sem querer, pulando na frente e mediando a conversa, logo falando que se trata de filho autista. Para nossa surpresa uns nos pedem para deixar que eles falem, outros não respondem nada, ou ainda, riem e perguntam centenas de bobagens sem discrição alguma. Mas com o tempo vamos pegando o jeito, orientando nossos filhos sobre quando falar e com quem falar, sobre o perigo de se entregar a quem não nos merece e também sobre as maldades do mundo e o risco de ser levado para longe, por pessoas mal-intencionadas.

É importante construir uma base sólida com alicerces firmes e boa estrutura emocional. Precisamos sempre buscar conhecimento didático e também físico e espiritual para lidar com nossos filhos e suas regras próprias. Ao invés de reclamar da inconstância do seu filho mostre-lhe toda a estabilidade para que ele copie seu modelo de vida. O esforço não é temporário, é constante e diário, acostume-se.

​Cuide de suas emoções, um vencedor não é necessariamente o que mais tem troféus, mas aquele que, mesmo diante de todas as dificuldades, venceu a si mesmo e guiou seus próprios passos rumo ao verdadeiro conhecimento - o conhecimento emocional. Muitas vezes achamos um caminho tortuoso demais para seguir em frente, mas não percebemos que, ao desistir de enfrentar as pedras da dificuldade, acabamos por escolher um destino superficial e com resultados passageiros, pois não é fácil se chegar aonde se quer, a dificuldade faz parte da realização dos grandes sonhos. As tempestades emocionais servem para chacoalhar as árvores dos seus instintos e, se bem direcionada certamente te levará a colher os mais saborosos frutos - os que estão no topo dos galhos da sabedoria.

Beijo muito carinhoso. Fiquem com Deus.

Kenya Diehl


facebook/kenyatlsdiehl


Nenhum comentário:

Postar um comentário